Justiça chilena processa assassinos de Victor Jara

do Opera Mundi

Militares são processados pelo assassinato do cantor chileno Víctor Jara

Logo após o golpe militar de 11 de setembro de 1973, executado por Augusto Pinochet, Jara foi preso, torturado e fuzilado

Sete ex-oficiais do exército chileno serão julgados pelo assassinato do cantor Víctor Jara, morto em 16 de setembro de 1973, logo após o golpe de Estado encabeçado pelo ditador Augusto Pinochet. A decisão do juiz especial Miguel Vásquez, da Corte de Apelações de Santiago, envolve oficiais que estavam encarregados das centenas de prisioneiros confinados no Estádio Nacional, na capital chilena.

Wikicommons

Uma ordem de captura internacional foi emitida paraPedro Barrientos Núñez, que está fora do país, enquanto os outros seis foram levados a um batalhão da polícia militar. Barrientos foi processado como o autor do homicídio qualificado del cantanteo cantor, ao lado do ex-oficial Hugo Sánchez Marmonti. Na qualidade de cúmplices foram processados também Roberto Souper Onfray, Raúl Jofré González, Edwin Dimter Bianchi, Nelson Hasse Mazzei e Luis Bethke Wulf. Há alguns anos, Dimter foi identificado como “O Príncipe”, apodo de um dos oficiais que estavam no estádio e era apontado como autor material do crime.

Víctor Jara, conhecido pela rica produção musical, era também um destacado diretor de teatro, e foi detido em 12 de setembro, um dia depois do golpe contra o presidente Salvador Allende. Além dele, centenas de alunos, trabalhadores e professores da UTE (Universidade Técnica do Estado), a atual Universidade de Santiago, foram presos. Jara era professor na instituição.

Todos foram levados ao estádio, habilitado como centro de detenção, onde Jara, após ser reconhecido pelos militares, foi separado dos demais prisioneiros e submetido a vários dias de tortura, entre elas, queimaduras com cigarros acesos, simulação de fuzilamento e a fratura das mãos. O artista foi “agredido fisicamente, de forma permanente, por vários oficiais”, diz a resolução judicial.

Em 16 de setembro, os prisioneiros foram retirados do estádio, exceto Jara e Littré Quiroga Carvajal, diretor da Empresa de Ferrocarriles del Estado durante o governo Allende. Ambos foram levados a um espaço subterrâneo e mortos a tiros. Jara, cujo nome batizou o recinto onde foi assassinado, recebeu 44 disparos de bala e tinha diversos ossos quebrados, segundo informe da autópsia após a descoberta de seu cadáver, na parte posterior de um cemitério na sul de Santiago. O cantor foi reconhecido pela esposa, a bailarina britânica Joan Turner.

* Com informações da Agência Efe

Publicado em História | Marcado com , , , | Deixe um comentário

A mídia brasileira e os “padrões de manipulação”

do Sul 21

Nunca houve tanto ódio na mídia conservadora do Brasil

Os textos de Demétrio Magnoli, Ricardo Noblat, Merval Pereira, Reinaldo Azevedo, Augusto Nunes, Eliane Catanhede, entre outros, são fontes preciosas para as futuras gerações de jornalistas e estudiosos da comunicação entenderem o que Perseu Abramo chamou apropriadamente de “padrões de manipulação” na mídia brasileira.

Por Jaime Amparo Alves | No Pragmatismo Político

Os brasileiros no exterior que acompanham o noticiário brasileiro pela internet têm a impressão de que o país nunca esteve tão mal. Explodem os casos de corrupção, a crise ronda a economia, a inflação está de volta, e o país vive imerso no caos moral. Isso é o que querem nos fazer crer as redações jornalísticas do eixo Rio – São Paulo. Com seus gatekeepers escolhidos a dedo, Folha de S. Paulo, Estadão, Veja e O Globo investem pesadamente no caos com duas intenções: inviabilizar o governo da presidenta Dilma Rousseff e destruir a imagem pública do ex-presidente Lula da Silva. Até aí nada novo.

Tanto Lula quanto Dilma sabem que a mídia não lhes dará trégua, embora não tenham – nem terão – a coragem de uma Cristina Kirchner de levar a cabo uma nova legislação que democratize os meios de comunicação e redistribua as verbas para o setor. Pelo contrário, a Polícia Federal segue perseguindo as rádios comunitárias e os conglomerados de mídia Globo/Veja celebram os recordes de cotas de publicidade governamentais. O PT sofre da síndrome de Estocolmo (aquela na qual o sequestrado se apaixona pelo sequestrador) e o exemplo mais emblemático disso é a posição de Marta Suplicy como colunista de um jornal cuja marca tem sido o linchamento e a inviabilização política das duas administrações petistas em São Paulo.

O que chama a atenção na nova onda conservadora é o time de intelectuais e artistas com uma retórica que amedronta. Que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso use a gramática sociológica para confundir os menos atentos já era de se esperar, como é o caso das análises de Demétrio Magnoli, especialista sênior da imprensa em todas as áreas do conhecimento. Nunca alguém assumiu com tanta maestria e com tanta desenvoltura papel tão medíocre quanto Magnoli: especialista em políticas públicas, cotas raciais, sindicalismo, movimentos sociais, comunicação, direitos humanos, política internacional… Demétrio Magnoli é o porta-voz maior do que a direita brasileira tem de pior, ainda que seus artigos não resistam a uma análise crítica.

Agora, a nova cruzada moral recebe, além dos já conhecidos defensores dos “valores civilizatórios”, nomes como Ferreira Gullar e João Ubaldo Ribeiro. A raiva com que escrevem poderia ser canalizada para causas bem mais nobres se ambos não se deixassem cativar pelo canto da sereia. Eles assumiram a construção midiática do escândalo, e do que chamam de degenerescência moral, com o fato. E, porque estão convencidos de que o país está em perigo, de que o ex-presidente Lula é a encarnação do mal, e de que o PT deve ser extinguido para que o país sobreviva, reproduzem a retórica dos conglomerados de mídia com uma ingenuidade inconcebível para quem tanto nos inspirou com sua imaginação literária.

Ferreira Gullar e João Ubaldo Ribeiro fazem parte agora daquela intelligentsia nacional que dá legitimidade científica a uma insidiosa prática jornalística que tem na Veja sua maior expressão. Para além das divergências ideológicas com o projeto político do PT – as quais eu também tenho -, o discurso político que emana dos colunistas dos jornalões paulistanos/cariocas impressiona pela brutalidade. Os mais sofisticados sugerem que a exemplo de Getúlio Vargas, o ex-presidente Lula cometa suicídio; os menos cínicos celebraram o “câncer” como a única forma de imobilizá-lo. Os leitores de tais jornais, claro, celebram seus argumentos com comentários irreproduzíveis aqui.

Quais os limites da retórica de ódio contra o ex-presidente metalúrgico? Seria o ódio contra o seu papel político, a sua condição nordestina, o lugar que ocupa no imaginário das elites? Como figuras públicas tão preparadas para a leitura social do mundo se juntam ao coro de um discurso tão cruel e tão covarde já fartamente reproduzido pelos colunistas de sempre? Se a morte biológica do inimigo político já é celebrada abertamente – e a morte simbólica ritualizada cotidianamente nos discursos desumanizadores – estaríamos inaugurando uma nova etapa no jornalismo lombrosiano?

Para além da nossa condenação aos crimes cometidos por dirigentes dos partidos políticos na era Lula, os textos de Demétrio Magnoli , Marco Antonio Villa, Ricardo Noblat , Merval Pereira, Dora Kramer, Reinaldo Azevedo, Augusto Nunes, Eliane Catanhede, além dos que agora se somam a eles, são fontes preciosas para as futuras gerações de jornalistas e estudiosos da comunicação entenderem o que Perseu Abramo chamou apropriadamente de “padrões de manipulação” na mídia brasileira. Seus textos serão utilizados nas disciplinas de ontologia jornalística não apenas com o exemplos concretos da falência ética do jornalismo tal qual entendíamos até aqui, mas também como sintoma dos novos desafios para uma profissão cada vez mais dominada por uma economia da moralidade que confere legitimidade a práticas corporativas inquisitoriais vendidas como de interesse público.

O chamado “mensalão” tem recebido a projeção de uma bomba de Hiroshima não porque os barões da mídia e os seus gatekeepers estejam ultrajados em sua sensibilidade humana. Bobagem! Tamanha diligência não se viu em relação à série de assaltos à nação empreendidos no governo do presidente sociólogo! A verdade é que o “mensalão” surge como a oportunidade histórica para que se faça o que a oposição – que nas palavras de um dos colunistas da Veja “se recusa a fazer o seu papel” – não conseguiu até aqui: destruir a biografia do presidente metalúrgico, inviabilizar o governo da presidenta Dilma Rousseff e reconduzir o projeto da elite ‘sudestina’ ao Palácio do Planalto.

Minha esperança ingênua e utópica é que o Partido dos Trabalhadores aprenda a lição e leve adiante as propostas de refundação do país abandonadas com o acordo tácito para uma trégua da mídia. Não haverá trégua, ainda que a nova ministra da Cultura se sinta tentada a corroborar com o lobby da Folha de S. Paulo pela lei dos direitos autorais, ou que o governo Dilma continue derramando milhões de reais nos cofres das organizações Globo e Abril via publicidade oficial. Não é o PT, o Congresso Nacional ou o governo federal que estão nas mãos da mídia.

Somos todos reféns da meia dúzia de jornais que definem o que é notícia, as práticas de corrupção que merecem ser condenadas, e, incrivelmente, quais e como devem ser julgadas pela mais alta corte de Justiça do país. Na última sessão do julgamento da ação penal 470, por exemplo, um furioso ministro-relator exigia a distribuição antecipada do voto do ministro-revisor para agilizar o trabalho da imprensa (!). O STF se transformou na nova arena midiática onde o enredo jornalístico do espetáculo da punição exemplar vai sendo sancionado.

Depois de cinco anos morando fora do país, estou menos convencido por que diabos tenho um diploma de jornalismo em minhas mãos. Por outro lado, estou mais convencido de que estou melhor informado sobre o Brasil assistindo à imprensa internacional. Foi pelas agências de notícias internacionais que informei aos meus amigos no Brasil de que a política externa do ex-presidente metalúrgico se transformou em tema padrão na cobertura jornalística por aqui. Informei-lhes que o protagonismo político do Brasil na mediação de um acordo nuclear entre Irã e Turquia recebeu atenção muito mais generosa da mídia estadunidense, ainda que boicotado na mídia nacional. Informei-lhes que acompanhei daqui o presidente analfabeto receber o título de doutor honoris causa em instituições européias, e avisei-lhes que por causa da política soberana do governo do presidente metalúrgico, ser brasileiro no exterior passou a ter uma outra conotação. O Brasil finalmente recebeu um status de respeitabilidade e o presidente nordestino projetou para o mundo nossa estratégia de uma America Latina soberana.

Meus amigos no Brasil são privados do direito à informação e continuarão a ser porque nem o governo federal nem o Congresso Nacional estão dispostos a pagar o preço por uma “reforma” em área tão estratégica e tão fundamental para o exercício da cidadania. Com 70% de aprovação popular, e com os movimentos sociais nas ruas, Lula da Silva não teve coragem de enfrentar o monstro e agora paga caro por sua covardia.Terá a Dilma coragem com aprovação semelhante, ou nossa meia dúzia de Murdochs seguirão intocáveis sob o manto da liberdade de e(i)mprensa?

Jaime Amparo Alves é jornalista, doutor em Antropologia Social, Universidade do Texas em Austin – amparoalves@gmail.com

Publicado em Mídia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Luis Nassif: O atual jogo político no Brasil

do blog do Luis Nassif

Para entender o xadrez da política – 2

Enviado por luisnassif, qui, 20/12/2012 – 19:01

Autor:

No dia 11 passado, publiquei o post “Para entender o xadrez da política”.

Vamos ao próximo levantamento, à luz dos últimos episódios.

Como é o jogo de poder nas democracias

  1. Há três mundos distintos na opinião pública. Um, o mundo da chamada voz das ruas, que elege políticos, de vereadores a presidentes. O segundo, o mundo da opinião pública midiática, controlado por grandes grupos de comunicação. O terceiro, o mundo das instituições, onde se inserem os Poderes Executivo, Legislativo, Judiciário e as demais instituições constitutivas do Estado: Forças Armadas, Ministério Público, órgãos de controle, diplomacia etc. Importante: esse mundo, seja no plano das funções ou familiar, é influenciado majoritariamente pelo mundo da mídia.
  2. O mundo das instituições é fundamentalmente legalista e formalista, no sentido de seguir normas, regulamentos e leis. Há maneiras de dar by-pass na legalidade que seguem sempre o mesmo padrão: denúncias de corrupção, quebra da ordem econômica e social e, no caso de republiquetas latino-americanas, o fantasma da subversão. O clima de caos aumenta a sensação de vácuo de poder e alguém acaba ocupando. Meses atrás publiquei aqui um extraordinário artigo de Afonso Arinos de Mello Franco, de 1963. Ele próprio integrante da UDN, mostrava como a oposição manipulava conceitos que, em 1963, ele já via defasados: como o fantasma da Guerra Fria. E diagnosticava: se não houver pulso da parte do governo, termina em golpe militar. Não houve pulso, a conspiração prosperou e, depois, foi alimentada por manifestações de rua e comícios que passaram aos militares a ideia de quebra da hierarquia. 1964 foi fruto do vácuo de poder.
  3. A mídia sempre tem papel central nesses movimentos. Durante meses criam-se fatos verdadeiros ou não, escandalizam-se meros problemas administrativos (já que não se consegue produzir escândalos verdadeiros todo dia), martela-se, martela-se até obnubilar a opinião pública e consolidar a ideia do caos. As movimentações de rua são consequência e o melhor álibi para golpes. Se a favor, legitima-os para atender aos pleitos da opinião pública. Se contra, legitima-os para impedir a baderna.
  4. Em muitos episódios latino-americanos – quedas de Fernando Collor, no Brasil, e Carlos Andres Perez, na Venezuela – o golpe ocorreu via aliança Legislativo-Mídia. Em outros casos – tentativa de derrubada de Chávez – na aliança entre Mídia e setores das Forças Armadas. Em casos recentes, na parceria Mídia-Supremo. Em todos os casos, há o clamor da opinião pública legitimando os golpes.
  5. O atual embate STF x Congresso visa definir quem é a lei. Não se trata de episódio trivial, briga de egos e quetais. É briga de poder MESMO. Na eventualidade de um episódio crítico qualquer no futuro, quem conseguir ser a LEI manobrará todo o universo das corporações públicas. Se não houver esse momento crítico, cada personagem se recolherá novamente a seu papel tradicional e a disputa não terá passado de uma briga de egos. Melhor: de imensos egos.

As peças do jogo no quadro atual

Os pontos levantados  não significam que há uma organização conspiratória juntando todas essas peças. Deflagra-se um processo e são as circunstâncias específicas que determinam a dinâmica e conferem um papel a cada agente.

Entendidos esses aspectos genéricos do jogo de poder, vamos ao quadro atual:

  1. O PT é bom de rua, bom de voto e ruim de instituições. Quando Lula assumiu, tentou avançar através de dois operadores: José Dirceu e Antônio Palocci. A estratégia de Dirceu consistia em assumir todo o know-how de poder desenvolvido por FHC, o controle daquele grande rio subterrâneo do poder de fato, onde transitam os poderes constituídos, poderes econômicos, lobistas, parlamentares donos de bancada, técnicos e sistemas de influência em geral. No início do governo, ainda verde, essa estratégia levou o partido a “adotar” o esquema Marcos Valério, legítima criação do PSDB mineiro e que chegou ao Planalto através das mãos de Pimenta da Veiga, Ministro das Comunicações de FHC. Depois, aprendeu, mas o pecado original não pode ser exorcizado.
  2. O “mensalão” amarrou a ação de ambos os operadores, derrubou-os e, para afastar o fantasma doimpeachment, Lula, inspirado por Márcio Thomas Bastos, apostou em um republicanismo ingênuo, no qual FHC jamais embarcou: não indicou o Procurador Geral da República, usou as indicações do STF (Supremo Tribunal Federal) para gestos simbólicos, descentralizou as ações da Polícia Federal. E deu todo o espaço político de que essas estruturas necessitavam para ambicionar mais espaço político. É movimento típico das burocracias . Quando não há nenhuma forma de resistência à sua expansão, a tendência é ocupar espaço. O quadro de quase confronto atual é resultado direto do vácuo de poder no sistema judiciário, muito mais do que de manobras conspiratórias.
  3. Com o vácuo, cada ator político – PGR, STF, setores internos da PF – pôde crescer livremente, sem resistências e sem risco. O PGR Roberto Gurgel acumulou seu poder empalmando em suas mãos (e no da sua esposa) todos os processo envolvendo personagens com foro privilegiado. A maneira como ministros do STF atuaram no “mensalão” – um comparando o partido do governo ao PCC, outro incluindo falas fora do contexto da própria presidência da República – é típica de quem, à falta de qualquer tipo de limites, deixa de supor e passa a acreditar piamente que é Deus
  4. Finalmente, a cobertura exaustiva do julgamento do “mensalão” calou fundo na classe média – e não apenas na midiática. Graças ao Jornal Nacional, entrou no imaginário das famílias, das crianças e dos velhos. Acredita-se em um mar de corrupção incontrolável embora nem se identifiquem bem quem são os atores.
  5. A lógica que vigorou até agora para Lula e o PT – a cada campanha midiática a resposta das urnas – vale para eleições, não para o jogo institucional que se arma.

Cenário da desestabilização

O que seria um cenário de desestabilização? Esses cenários não são planejados de antemão, mas frutos de circunstâncias que vão se somando até virar o rascunho do mapa do inferno. Mostra-se, aqui, uma situação limite hipotética.

1. Intensificação da campanha midiática em duas frentes: a denuncista e a econômica.

O “efeito-mensalão” será absorvido com as festas de fim de ano e um janeiro tradicionalmente morno. Haverá a necessidade de substituí-lo por outros temas candentes.

A “denuncista” em tese depende da disposição do PGR e de setores da PF de abrir inquéritos e vazá-los para a mídia amiga. Há um processo nítido de auto-alimentação entre mídia e o PGR. Vaza-se o inquérito, monta-se um estardalhaço; com base no estardalhaço tomam-se outras medidas que resultam em mais estardalhaço. Tem que se atuar sobre esse cordão umbilical.

A econômica dependerá fundamentalmente do desempenho da economia e, principalmente, dos dados do PIB no primeiro semestre. Como já alertei aqui, a crítica se concentrará na atuação da Petrobrás no pré-sal, nos financiamentos do BNDES e no PAC.

2. Reação intempestiva do PT e Lula levando a movimentos de rua, com possibilidade de conflitos.

Leve-se em conta que a cobertura do “mensalão” tirou do PT o monopólio da mobilização popular. Agora há espaço para marchas contra a corrupção e coisas do gênero.

3. Reações do governo que possam ser interpretadas como ameaça às instituições.

4. Supremo sob controle do grupo dos cinco dizendo que, agora, “eu sou a lei” e se impondo para conter o caos.

As estratégias de lado a lado

Entendidos os pontos centrais da disputa, vamos tentar avançar no que poderiam ser as táticas de lado a lado.

Da oposição, obviamente, é elevar a fervura da água. Para tanto, necessita manter acesa a parceria com o PGR e com setores serristas da Polícia Federal para garantir a alimentação de escândalos; e declarações bombásticas de Ministros do STF para dar solenidade às suposições. E investir tudo em escândalos permanentes, desses que permitem um vazamento por dia e duas declarações retóricas de Ministros do STF por semana.

Enquanto isto, tratar de alimentar o negativismo do noticiário econômico superdimensionando notícias negativas e minimizando as positivas.

Da parte do governo, o jogo é o oposto, é baixar a fervura. Significa o seguinte:

  1. Considerar finalizado o episódio “mensalão”. Para tanto, o PT terá que dar baixa no balanço das lideranças atingidas. Do mesmo modo, a Presidência se afastará cada vez mais do episódio e reforçará o legalismo. No início, a inação do Ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, era coisa dele. Agora, não: é coisa dela.
  2. O MPF é permanente; Roberto Gurgel, passageiro. Como organização burocrática, disciplinada e legalista, bastará que seja tratado com respeito e que o governo emita sinais discretos sobre a sucessão de Gurgel, sem nada que afronte a autonomia relativa do órgão e sem nada que alimente as fantasias continuístas do grupo de Gurgel. Automaticamente se formarão novos centros de poder e influência internos.
  3. Em relação ao STF, o problema não é o órgão, evidentemente, mas a coalizão circunstancial que permitiu aos “cinco do Supremo” votar em bloco, em um STF desfalcado, e, com a hegemonia provisória, tornarem-se celebridades. Havendo normalidade na política e na economia – e acerto na substituição de Ministros – termina a maioria circunstancial, já que as Ministras, severas nas suas sentenças, mostraram-se discretas e legalistas. Celso de Mello voltará a se comportar como lente, Gilmar como político, Marco Aurélio como outsider, Luiz Fux buscará outras lâmpadas em torno das quais esvoaçar – bom radar porque especialista em rodear as lâmpadas que irradiam maior calor.  E Joaquim Barbosa… continuará sendo Joaquim Barbosa.
  4. No plano econômico, torcer para que venha logo a colheita das medidas plantadas nos dois últimos anos. E melhorar substancialmente as ferramentas de divulgação dos atos positivos de política econômica. O reajuste dos combustíveis foi passo importante para devolver à Petrobras o fôlego financeiro, tirando-a da linha de fogo.

Fatores de atrito

Há dúvidas no ar, obviamente. A manutenção de um clima de tranquilidade, com a economia sob controle, será relevante para que a nova formação do Supremo retorne à discrição e à responsabilidade institucional que se exige do órgão.

Gurgel e Joaquim Barbosa continuarão ativos. Manterão a parceria? São incógnitas.

A grande tacada da mídia serão as investidas contra Lula. Essas, sim, poderão provocar as manifestações de rua que se pretende para ampliar a percepção de caos político. No MPF, há uma gana para pegar Lula que transcende a própria figura do PGR.

É por aí que o bicho pode pegar. E é por aí que deverá se concentrar a atuação política dos que não pretendem assistir o país pegar fogo.

Nem se ouse apostas sobre quem pode botar mais gente na rua. Entrar nesse jogo é tiro no pé na certa.

Publicado em Política | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

A volta com boas notícias

Depois de muitos meses de ausência, vou reativar o blog e fazer o possível para que esteja sempre atualizado. Como meu computador foi roubado durante minha mais recente aventura na terra brasilis e ainda nao comprei outro, os posts certamente nao aparecerao no ritmo de antes, mas vamos lá.

Creio que nao há melhor maneira de voltar que com uma boa notícia…

Do Brasil 247

PRESENTE DA CNI PARA DILMA: 78% DE POPULARIDADE

:

Pesquisa encomendada pela Confederação Nacional da Indústria ao Instituto Ibope revela que aprovação ao modo de governar da presidente aumentou 1% em comparação a setembro; avaliação do governo em ótimo ou bom foi mantida em 62%; além disso, 73% dos entrevistados disseram confiar na presidente; números dignos de parabéns

15 DE DEZEMBRO DE 2012 ÀS 07:07

247 – A presidente Dilma Rousseff tem um belo motivo para estar bem feliz no dia de seu aniversário de 65 anos: 78% da população aprovam seu modo de governar, novo recorde registrado pela pesquisa CNI/Ibope, que em setembro registrou 77% nesse quesito. A avaliação de seu governo como ótimo ou bom foi mantida em 62%, maior percentual de sua gestão. Os números foram divulgados em coletiva de imprensa nesta sexta-feira 14 pela Confederação Nacional da Indústria.

O levantamento apontou outros bons números para a presidente: a grande maioria da população (73%) continua confiando na chefe do Executivo. A expectativa ótima ou boa em relação ao restante do mandato – que tem mais dois anos pela frente – também se manteve num bom patamar, de 62%. Os setores de maior sucesso e derrota foram, de um lado, o combate à fome e à pobreza, que recebeu aprovação de 62%, e a saúde, com recorde de desaprovação de 74%.

O primeiro mandato de Dilma é o mais bem avaliado em comparação com o de seus dois antecessores, Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso. Já comparando com a gestão de Lula, houve aumento no percentual dos que acreditam que o governo Dilma é melhor. Porém, 59% consideram que os dois governos são iguais.

Apenas o governo de Lula, no segundo mandato, obteve avaliação mais alta no mesmo período: 73%. Em dezembro de seu segundo mandato, o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi avaliado como bom ou ótimo por 25% da população. Para 59% dos entrevistados, o governo Dilma é igual ao governo Lula, enquanto 29% o considera pior, e 19%, melhor.

De acordo com o gerente executivo de pesquisa da CNI, Renato da Fonseca, os temas mais lembrados no governo Dilma foram respondidos espontaneamente pelo público. Foram eles: julgamento do mensalão, redução no custo da energia e operação Porto Seguro. O levantamento foi realizado entre 6 a 9 de dezembro, com 2.002 eleitores a partir de 16 anos em 142 municípios. Segundo o Ibope, o grau de confiança do levantamento é de 95% e a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Publicado em Política | Marcado com , , | Deixe um comentário

O “polêmico” vídeo exibido pela campanha de Haddad

Estão acusando a campanha do candidato petista Fernando Haddad de “pegar pesado” por ter exibido em seu site um vídeo do rapper Mamuti 011 que compara José Serra a Hitler. Primeiramente, não fica claro para quem tal comparação seria ofensiva, se para o ditador nazista ou para o ex-tudo do PSDB.

E se a questão é exibir videos na internet que não apresentem o tom ideal para uma campanha civilizada, vale a pena lembrar o vídeo que a campanha de José Serra fez circular durante a campanha presidencial de 2010, fazendo previsões apocalípticas caso Dilma Roussef fosse eleita presidenta.

Vejam os vídeos abaixo. As diferenças entre os dois não são poucas.

Publicado em Política, Uncategorized | Marcado com , , | Deixe um comentário

Policarpo Jr. na CPI do Cachoeira?

do Blog do Mello

Mulher de Cachoeira para juiz: ‘O Carlos [Cachoeira] contratou o Policarpo [da Veja] para fazer um dossiê contra o senhor’

Cada vez ficam mais claras e se complicam as ligações entre o esquema criminoso do bicheiro Carlinhos Cachoeira e a revista Veja, por intermédio de seu diretor em Brasília, Policarpo Júnior.

Agora, segundo o G1, a mulher do bicheiro teria tentado chantagear o juiz federal Alderico Rocha Santos, que cuida de um dos casos que envolvem o bicheiro, ameaçando-o com um dossiê que teria sido preparado por Policarpo a mando de Cachoeira:

Conforme relatou o juiz ao G1, o dossiê teria sido produzido a pedido de Cachoeira pelo jornalista Policarpo Júnior, repórter da sucursal da revista ‘Veja’, em Brasília. O G1procurou a assessoria de imprensa da revista, que informou não poder se posicionar sobre questões editoriais. Nas redações de São Paulo e Brasília, não localizou responsáveis para comentar o caso.

(…)
Conforme o juiz, Andressa teria dito: “Doutor, tenho algo muito bom para o senhor. O senhor conhece o Policarpo Júnior? O Carlos contratou o Policarpo para fazer um dossiê contra o senhor. Se o senhor soltar o Carlos, não vamos soltar o dossiê”.

O juiz diz também que respondeu que não tinha nada a temer, quando teria ouvido de Andressa: “O senhor tem certeza?”.
(…)
[Por conta da ameaça] Andressa prestou esclarecimentos nesta manhã na Polícia Federal em Goiânia e saiu sem falar com a imprensa. A mulher do contraventor terá de pagar fiança de R$ 100 mil e está proibida de visitar o marido, informou a PF.

Segundo o delegado Sandro Paes Sandre, “caso essas medidas não sejam atendidas, Andressa terá a prisão preventiva decretada e ficará presa na PF”. [íntegra aqui]

O cerco se fecha contra o esgotão da Abril, quando até o G1, portal das Organizações Globo, derruba o muro que protegia a mídia corporativa das relações comprometedoras entre a revista Veja e a organização criminosa de Carlinhos Cachoeira.

Com a volta ao trabalho dos deputados ao fim do recesso nesta semana e a retomada da CPI do Cachoeira, já não é mais possível impedir a convocação do silente Policarpo ou de seu superior e responsável pela revista Roberto Civita.

Publicado em PIG | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Primer oro de la gimnasia latinoamericana

do Publico.es

Primer oro de la gimnasia latinoamericana

El brasileño Arthur Nabarrete supera por sorpresa al chino Chen Yibing, defensor del título, en las anillas

El brasileño Arthur Nabarrete Zanetti durante su ejercicio en las anillas.El brasileño Arthur Nabarrete Zanetti, de 22 años, ha roto una barrera histórica. Ha ganado este lunes el oro en el concurso de anillas de los Juegos Olímpicos de Londres, primera medalla para la gimnasia iberoamericana en toda la historia olímpica. Zanetti se impuso con 15,900 puntos, por delante del chino Chen Yibing, que defendía el título (15,800), y del italiano Matteo Morandi (15,733).

Subcampeón mundial en este aparato en los Mundiales y en los Juegos Panamericanos de 2011, Zanetti ya apuntó al podio en la ronda de clasificación al obtener en ejecución la nota más alta, 9,116. Pero la nómina de finalistas era de muchos quilates y la medalla se iba a poner cara.

Chen Yibing, cuatro veces campeón mundial de anillas y defensor del título olímpico, abrió el concurso dejando claro a sus rivales que el jefe era él. Hizo un ejercicio impecable, con 6,8 de dificultad y 9 de ejecución que le supusieron 15,800 puntos. La nota parecía inalcanzable para sus rivales. El gimnasta gritó de júbilo y besó el aparato.

Tras su ejercicio, todo el mundo daba como campeón al chino Chen Yibing… hasta que compitió Arthur Nabarrete

Tras él fueron desfilando rivales de la veteranía del italiano Matteo Morandi, subcampeón europeo, o del búlgaro Iordan Iovtchev, seis veces olímpico, e inesperados finalistas como el argentino Federico Molinari, a quien una mala salida le estropeó un gran ejercicio de fuerza (14,733), o el puertorriqueño Tommy Ramos, quien por el contrario terminó bien una rutina con elementos por pulir (15,600).

Junto a Molinari, quienes más inquietaron a Chen fueron los dos rusos en concurso, Aleksander Balandin y Denis Ablyazin, pero su lucha estaba por los últimos puestos del podio.

Cuando todo el North Greenwich daba por sentado el triunfo de Chen Yibing entró en competición Arthur Zanetti, el último finalista. Presentó un ejercicio de tanta dificultad como el del chino (6,800), pero su ejecución fue sobresaliente: controló las anillas con seguridad en los cristos y en las planchas y apenas tuvo unos balanceos imperceptibles. Cerró con una buena salida y convenció tanto a las jueces que le dieron un 9,116. La suma de 15,900 le ponía una décima por encima de Chen Yibing. Todo un mundo en la gimnasia.

El estadio, con centenares de brasileños en las gradas, se vino abajo. Zanetti saltó de alegría y su cuerpo técnico comenzó a llorar. La fiesta continuó hasta que el gimnasta se colgó la medalla del cuello. El puertorriqueño Tommy Ramos terminó sexto (15,600) y el argentino Federico Molinari, octavo (14,733).

Antes del comienzo de los Juegos de Londres el gimnasta iberoamericano mejor situado para conseguir la primera medalla parecía otro brasileño, Diego Hypolito. Pero falló en su ejercicio de suelo, como ya hizo en Pekín 2008, y ni siquiera entró en la final.

Publicado em Uncategorized | Marcado com , , | Deixe um comentário