Pesquisas revelam a influência, vício e narcisismo no Facebook

do Cinegnose

Pesquisas revelam a influência, vício e narcisismo no Facebook

Posted by Wilson Roberto Vieira Ferreira

As redes sociais devem ser pensadas a partir de conceitos como influência, vício e narcisismo. Essa é a interpretação de um trabalho de conclusão da disciplina Estudos da Semiótica, que eu ministro dentro do curso de Comunicação Social da Universidade Anhembi Morumbi (UAM/São Paulo), a partir dos dados de pesquisas empíricas realizadas nos EUA e Noruega sobre usuários do Facebook e redes sociais. A informações levantadas por essas pesquisas mudariam o foco da discussão: a questão não é a tradicional oposição entre os mundos real/virtual, mas a relação fetichista e de viciosidade com os gadgets tecnológicos que se inicia na própria sociedade de consumo, além da diluição das fronteiras entre a vida pública e a privada.
Falar mal das redes sociais, assim como de games de computadores, parece ter se tornado um lugar comum, mas o diferencial dos resultados apresentados nesse trabalho intitulado “Escola de Frankfurt e Redes Sociais” (do grupo de alunos formado por Aline Mathias, André Pinheiro, Bruno Cagide, Danilo Alves, Danilo Menezes, Karolina Garcia e Luely Vaz) é que eles se basearam em duas pesquisas empíricas realizadas recentemente com usuários de redes sociais em várias partes do mundo.
A primeira pesquisa foi a realizada pela Universidade de Maryland, nos EUA, levada a cabo em 2011 a partir de um universo de mil universitários de 37 países entre 17 e 23 anos. Os grupos em estudo foram impedidos de usar celulares, redes sociais, internet e TV por 24 horas. Somente poderiam usar telefone fixo e livros e tinham de manter um diário. Segundo os investigadores, 79% dos estudantes relataram sintomas análogos às síndromes de abstinência química: desespero, “esvaziamento”, ansiedade, confusão e isolamento.
Um em cada cinco alunos relatou sentimentos de abstinência, enquanto 11% disseram que estavam confusos ou se sentiam fracassados. Quase um em cinco (19%) relataram sentimentos de angústia e 11% afirmaram que se sentiam isolados. Apenas 21% admitiram que poderiam sentir os benefícios de ficar incomunicáveis (veja: http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=48447&op=all).
 
Proximidade entre o vício virtual das redes
e os workholics da vida real

A segunda pesquisa foi realizada pelo Departamento de Psicologia da Universidade de Bergen (UIB) na Noruega que desenvolveu um instrumento de medida para quantificar o vício pelo Facebook, a chamada “Escala Bergen de Vício pelo Facebook”. Em janeiro de 2011, 423 estudantes (227 mulheres e 196 homens participaram dos testes a partir de questionários que foram respondidos onde os pesquisadores procuravam cinco elementos que tipificam o vício e a compulsão: Proeminência, alteração de humor, tolerância, conflito, estados de ausência e recaídas (veja:http://www.uib.no/news/nyheter/2012/05/new-research-about-facebook-addiction).

As pesquisas chegaram a conclusões praticamente idênticas: estão sendo criados elementos socialmente prejudiciais característicos do narcisismo, como a ansiedade por protagonismo e a impulso por querer se aproveitar dos demais.
No caso da pesquisa norueguesa, mostrou-se uma proximidade entre o vício virtual das redes e os workholics da vida real: insônia, problemas de saúde, “burnout” e stress que acabam criando conflito com a vida familiar.

Ambiguidade e fetichismo
Esse trabalho universitário interpretou os dados das pesquisas dentro do quadro conceitual da conhecida Escola de Frankfurt no campo das teorias da comunicação.
O grupo encontrou uma ambiguidade no Facebook e redes sociais: por um lado os vínculos criados contribuem para criar a identidade do usuário frente aos outros e a simesmo (compartilhamento de informações etc.), mas, por outro lado, pelo ponto de vista cognitivo essa “vida eletrônica” pode substituir a vida real pela viciosidade e compulsão.
O que mais chamou atenção do grupo foi a relação “fetichista” dos usuários das redes sociais com a tecnologia. Os conceitos de fetichismo da mercadoria (Marx) ou “sociedade reificada” (Lukacs) eram entendidos pelos frankfurtianos como o momento em que as relações humanas não são mais criadas espontaneamente, mas mediadas por objetos, mercadorias ou, na esfera econômica, pelo capital.

“O fetichismo da mercadoria se expõe de forma que as pessoas preferem manter suas relações on line ao invés de pessoalmente, porque a facilidade e praticidade são muito maiores, fazendo com que esse serviço ou objeto se torne algo humano, pois conversamos com uma máquina acreditando estarmos conversando com nossos amigos, e ainda trazendo o pensamento de que sua amizade gira em torno de administrar sua conta no Facebook” (“Escola de Frankfurt e Redes Sociais”, p.13 UAM, 2012)

 
A viciosidade por gadgets
tecnológicos deve ser colocado
dentro da própria lógica consumista

Assim como na sociedade de consumo o carro tem um valor fetichista por parecer imbuído de um poder em estabelecer relações sociais (amizades, namoros, festas, reconhecimento etc.), da mesma forma os gadgets tecnológicos parecem cada vez mais valorizados de forma fetichista como se contivessem traços humanos e características de relações face-a-face (emoticons, webcams etc.).

Portanto, o trabalho de pesquisa do grupo da UAM sugere que os questionamentos sobre redes sociais que partem da tradicional oposição entre real/virtual são equivocados. Pelo contrário, as questões levantadas pelas pesquisas de Maryland e Bergen indicam uma linha de continuidade que inicia na sociedade de consumo e incorpora as novas tecnologias: consumimos as tecnologias virtuais da mesma forma como nos relacionamos de forma fetichista com as mercadorias “analógicas” ou “reais”.
A discussão sobre o vício e a compulsividade pelas redes sociais e gadgets tecnológicos deve ser colocado dentro da própria lógica consumista dos chamados bens “reais”. Como aponta a psicóloga Cecile Andreassen, coordenadora da pesquisa da Universidade de Bergen, as redes sociais estão substituindo a antiga onipresença da TV, principal instrumento da tradicional sociedade de consumo.

A falsa oposição real/virtual
Por isso, a oposição entre real/virtual (a surrada crítica de que os amigos e relacionamentos reais são substituídos por avatares virtuais) deve ser substituída por outra: na verdade o mais importante é perceber como as novas tecnologias estão diluindo as fronteiras entre as esferas públicas e privadas, onde a identidade seria constituída a partir do vício e compulsividade por objetos ou gadgets tecnológicos que, acreditamos, vão suprir daquilo que nos falta: reconhecimento, amizades e realização.
 
O vício pelas redes: análogo
à dependência química

As crises de abstinência análogas a dos dependentes químicos reveladas por usuários privados de utilizar redes sociais são reveladoras dessa nova realidade: a sensação de “vazio” ou de “ausência” quando somos impedidos de vivenciar essa relação imaginária (fetichista) com os gadgets que prometem nos preencher.

A relação entre o dependente químico e tecnológico seria mais do que uma analogia, mas uma associação concreta: assim como na droga a primeira vez “bate” muito rápido trazendo intensa experiência de prazer criando uma memória afetiva positiva (e o viciado buscará, de forma frustrante, repetir aquela sensação), da mesma forma a repetição de cliques tentará reproduzir a primeira experiência afetiva positiva de prazer, perdendo-se em um frustrante mar de links e informações aleatórias que não se somam.

O sujeito fractal
A interpretação do grupo de trabalho da UAM acabou coincidindo com a afirmação da psicóloga Cecile Andreassen de que os scores mais altos na Escala Bergen são encontrados em jovens ansiosos e socialmente inseguros

“Nos estudos da Escola de Frankfurt vimos que a desestruturação da família tradicional e o surgimento da família nuclear se reflete no Facebook: as pessoas procuram por algo inatingível, acreditam estarem felizes com uma pseudo-imagem criada a partir das páginas da web, buscam sentimentos criados pelas telas do computador e, consequentemente, acabam tendo o ego fragilizado e se tornando passíveis à manipulação” (Idem)

O que Cecile Andreassen e o grupo da UAM dizem acabam confirmando uma intuição de Freud a respeito da psicologia de massas: o que o homem mais teme, mais que a morte, é a solidão. Essa ansiedade, produzida pelo medo de impotência e desamor, embotaria o pensamento crítico diante do  conformismo resultante da ansiedade em conseguir a aprovação do outro.
É a emergência daquilo que muitos pesquisadores da área de cibercultura entendem por “sujeito fractal”: Tal qual o fracta da geometria (objeto geométrico que pode ser dividido em partes, cada uma das quais semelhantes ao objeto original), é um sujeito que se torna um nódulo que apenas ratifica o que lhe é externo. A aparência narcísica de um ego grandioso encobre um esvaziamento da própria subjetividade que, sitiado, adapta-se e reproduz mimeticamente o entorno para ser reconhecido e amado. É o sujeito fractal, como um fragmento que reproduz dentro de si, infinitamente, o padrão do todo.
No final o Facebook seria uma “forma inteligente de manipulação, porque ninguém se sente usado, pelo contrário, nos sentimos como colaboradores e importante por fazer parte de algo em que outros também defendem ou aceitam da mesma forma” (Idem)
Anúncios

Sobre ziulfabiano

Filho de pai Argentino e mae Brasileira, vivendo em Madrid e acompanhando o que se passa por aqui e por ali.
Esse post foi publicado em Internet e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s